Porto Alegre, terça-feira, 22 de agosto de 2017
   

Deputado Raul Carrion - PCdoB-RS

O Partido Comunista do Brasil no Rio Grande do Sul
1922-1929


5 - CONCLUSÕES
 

            Essa longa trajetória da lutas da classe operária brasileira e gaúcha - que começa no final do século passado - nos mostra, na prática, a sua paulatina transformação de “classe em si” em “classe para si”.

            Nesse processo, uma primeira particularidade que salta a vista é o fato de que - diferentemente de inúmeros outros partidos, como o Argentino, o Uruguaio e o Chileno, que nasceram de cisões no interior da social-democracia reformista - o Partido Comunista do Brasil nasce de um movimento operário fundamentalmente anarco-sindicalista e sindicalista-revolucionário, o que lhe concede uma forte radicalidade e conteúdo revolucionário. Mas que, ao mesmo tempo, lhe contaminou com um forte apoliticismo e uma baixa consciência organizativa.

            Mas, o inegável é que o Partido Comunista do Brasil surge do amadurecimento interno da classe operária brasileira, decorrente das grandes lutas proletárias do final da década de 20 que, apesar da combatividade e heroísmo demonstrados pelo proletariado de nosso país, fracassaram por falta de uma direção revolucionária conseqüente.

            Nesse sentido, parece-nos correta a tese central deste trabalho no sentido de considerar que a fundação do Partido Comunista do Brasil - com todas as suas deficiências e equívocos - significou um salto de qualidade na luta da classe operária brasileira. E sua persistência até os dias de hoje expressa a sua necessidade histórica, que só será suprimida com o fim da sociedade de classes.

O Partido Comunista do Brasil no Rio Grande do Sul -1922-1929

 


TOPO